Seguidores

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Carta - Esperança


Teimo em escrever-te, porque meu coração diz que ainda me amas, e assim quero acreditar. Deitei na relva verde e contemplei as nuvens em formação. O sorriso emoldurou minha face quando vi a gaivota rasgar o céu azul. Doces palavras tuas sussurrando em meus ouvidos, tão reais, fazem-me recordar os poemas que tecia em nossos momentos de amor. Sinto o aroma das uvas, vinhedas em temporada.
Decidi, vou fugir daqui, mesmo sem ter o rumo certeiro, sou péssima com mapas, você deve lembrar. Por certo que sim, quase nos perdemos nas grutas, tudo teimosia minha. Queria mostrar a ti, que eu sabia guiar... sempre foi você a guiar os passos meus, e novamente, graças a tua maestria conseguimos sair da caverna, bem a tempo que nossos cantis de água mostravam-se secos. Coloquei nossas vidas em perigo, ainda hoje me culpo por isto. E você, em sua paciência invejável, nem me repreendeu, fez graça até.
Estou a escrever-te, marujo meu, marujo das palavras acalentadoras. Marujo que navega em altos mares. Marujo que entrego minha vida. Escrevo-te, por que estando de partida, rumo em busca da trilha que disseram levar ao ponto que me encontraram. Ainda não sei como se dará. Minha esperança é que agora, com a memória reavivada, consiga retornar ao nosso ninho.
Sinto tanta falta tua. O silencio me é assustador,  os fantasmas vem roubar-me o sono, já não consigo mais sonhar. Tua companhia me faz nas alucinações constantes que tenho em meu dia. Anseio por te encontrar. Temo pela tua saúde, temo que se esqueça de mim, temo...
Tenho me guardado, e se porventura não puder  mais entregar meu corpo a ti, saiba que de mais ninguém serei. Foi você que me transformou em mulher, e apenas tua  me permito ser. Hoje meu corpo arde em chamas, e como clama o corpo teu em mim. Estou febril, é saudades. Tremo só de pensar que poderemos nos tocar novamente. Como anseio por este momento. Vou seguir a memória, rastrear o cheiro do teu fumo, ouvir a melodia de tua musica. Cante mais alto, marujo meu, grite. Mas se para minha infelicidade, já me esqueceu, saberei que teu silencio será minha resposta. O silencio cortante de minha alma e de minha esperança de viver.

3 comentários:

ValeriaC disse...

Lindas palavras... quando se ama...a esperança sempre acompanha...
Tenha um ótimo dia...beijos
Valéria

Luís Coelho disse...

Que belo canto à vida a dois na descoberta do amor.
Quem ama ensina, perdoa e atura.

Desejo-lhe uma linda e amorosa viagem onde o entendimento e a capacidade de seguir em frente com o norte bem definido.

MariAne disse...

esperança é alimento outras vezes veneno