Seguidores

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Rua da Saudade



Ainda aguardo esse amor
Por loucura talvez
Aguardo sua chegada
A cada amanhecer a cada anoitecer
 Respirar onde tento adormecer
Não posso nem nunca tentei te esquecer

Onde sou rua da saudade
E encontro
Aquele encontro só meu
Rua da saudade
Onde respiro o ar de um amor meu

Rua da saudade
Rosas de verão
Crescendo nos espinhos
Calosidade que se estende na mão
Entre espinhos de beleza sem igual

E nesse franqueza
Rua da saudade
Na rua que temo
Que sejas de tristeza
Rua que caminhei
Que sorri
Que defendi
Percorrendo toda a saudade
Na terra no céu
Por entre a luz de uma cidade
Cegando esses olhos que querem ver
Eu te espero
Na beleza de te ter
Minha rua
Minha tristeza
Minha verdade
Eu te espero
Em ternura
Eu te espero em amor
Porque tu em mim vives
 Minha
Minha rua
Minha saudade
Na rua da saudade

5 comentários:

MariAne disse...

Saudades sentimento misterioso, que mescla a tristeza da dor e a boa lembrança do que passou.

Marujo das palavras, a cada dia te vejo mais astuto em marejar pelos mares das emoções, consegues passar por turbulências com a mesma maestria que valsa sobre o mar adormecido. Quanta inspiração paira sobre este marujo!
Belo texto, assim como tantos outros que leio aqui.
Lindo início de semana pra ti menino

MariAne disse...

Rua da Saudades...

rssr voltei....

Lembrei de uma musica cantada na infancia:
Se esta rua, se esta rua fosse minha, eu mandava eu mandava ladrilhar, com pedrinhas com pedrinhas de brilhantes, para o meu para o meu amor passar...

Não sei se conhecia, é que de repente lembrei dela... apenas pra compartilhar.

ValeriaC disse...

Lindo poema... é... saudade...algo tão inerente em nossas almas...
Tenha uma ótima semana...beijos
Valéria

* verinha * disse...

Saudade é um sentimento do coração que vem da sensibilidade e não da razão!
Beijoquinhas super em seu coração Filipe!

*verinha*

Cria disse...

Ahh, uma lágrima
a rolar pelo chão,
escorrendo mundo afora,
pensando nesta ausência ... Ah, quanta saudade ... Perdão, poeta, divaguei ... LINDO DEMAIS !