Seguidores

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

O sopro vem só

Sombria vai a noite
Num sorriso espontâneo
Quem se segue
No patamar dessa casa vazia

Como espelho reflecte
A imensidão da alma perdida
Ansiosa por se encontrar
Num regresso a si

Vagarosa entre nos
Verrinosa aos demais
Os olhos se abrem
Como o sol que silenciosamente engole o mar
A cada por do sol

Antecipando um novo amanha
Sendo ele igual aos demais
No solo rijo de argila e betão
Teimando em nada alterar

O sopro vem só
Ao respirar de cada passagem
E tudo nasce
No sufoco de um suspiro

E a noite se torna dia
E o por do sol se torna nascer do sol
E o sol se torna lua
E o sopro se torna asfixia
Nós nos mantemos iguais
Inabaláveis no ridículo






1 comentário:

Natália Campos disse...

Parabéns pelo Dia do Poeta. Não deixe a poesia morrer em ti. Beijos!